Foto - Gaspar Nobre (COB)

Rebeca Andrade e Isaquias Queiroz conquistam o Prêmio Brasil Olímpico 2021

Foto – Gaspar Nobre (COB)
A premiação mais importante do esporte brasileiro foi histórica como o ano de 2021. A cerimônia de gala do Prêmio Brasil Olímpico 2021, organizada nesta terça-feira, dia 7, pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), reuniu e homenageou atletas e medalhistas que ajudaram o Time Brasil a quebrar todos os recordes nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Dois deles foram os grandes vencedores da festa organizada em Aracaju (SE): Rebeca Andrade (ginástica artística) e Isaquias Queiroz (canoagem velocidade), eleitos os Melhores Atletas do Ano.
“É uma honra receber esse troféu mais uma vez. Queria agradecer a todos do COB, à minha equipe, a todos de Lagoa Santa, à minha família e, não podia deixar de agradecer, ao Jesus Morlán. Ele ainda trouxe o Lauro de Souza, que me ajudou na missão de ser campeão olímpico”, agradeceu Isaquias, que se tornou o maior vencedor do troféu: ganhou em 2015, 2016, 2018 e 2021.
Rebeca Andrade não pode comparecer à premiação e enviou um vídeo de agradecimento. “Esse momento é muito importante para mim. A minha carreira é cheia de altos e baixos e esse ano consegui realizar todos os meus sonhos e objetivos. A rede de apoio do COB, da CBG e do Flamengo me ajudaram. O Chico, meu treinador, nem se fala. Hoje  sinto que esse prêmio não é só meu, é de todos nós. Somos todos Atletas do Ano e tenho muito orgulho de vocês e das nossas histórias”, disse Rebeca.
Realizado desde 1999, e pela primeira vez no Nordeste, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju (SE), o Oscar do esporte brasileiro não aconteceu em 2020 devido à pandemia da COVID-19. O retorno do evento foi uma grande celebração à campanha histórica do Brasil em Tóquio, quando a delegação brasileira conquistou 21 medalhas, recorde em toda a participação brasileira, iniciada nos Jogos Antuérpia 1920. Todos os medalhistas presentes à cerimônia subiram ao palco e foram ovacionados pelo público presente.
“Subo ao palco esta noite, na 22ª edição do Prêmio Brasil Olímpico, com uma emoção especial. Olhando para trás, para 2019, quando realizamos o PBO pela última vez, vejo o quanto conquistamos e quantos desafios vencemos juntos. Hoje estamos aqui para homenagear os feitos de nossos atletas e equipes. Para honrar a história esportiva de nosso país”, disse o presidente do COB, Paulo Wanderley Teixeira, em discurso durante a cerimônia. “Sempre foi uma marca por onde passei de buscar levar o esporte para o Brasil todo e ter o PBO no Nordeste pela primeira vez é extremamente simbólico. É a prova de que o Movimento Olímpico do Brasil é de todos os brasileiros, com todas as cores de nossa nação”, completou o presidente do COB.
Mas a cerimônia também reservou homenagens a atletas que estão no início de suas trajetórias e ídolos que marcaram gerações. Maria Eduarda Alexandre, da ginástica rítmica, e Igor Queiroz, do wrestling, representaram a delegação que levou o Time Brasil a vencer a primeira edição dos Jogos Pan-Americanos Junior Cali, encerrados no último domingo, receberam uma placa comemorativa em nome de toda a delegação.
Igor Queiroz, do wrestling, ao lado de Maria Eduarda, da ginástica rítimica, representaram os atletas que estiveram no Pan Junior Cali. Foto: Gaspar Nóbrega/COB
Os membros do Hall da Fama do COB, Magic Paula (basquete) e Sebastián Cuattrin (canoagem) e Adhemar Ferreira da Silva (atletismo), representado por sua filha Adyel Silva, e Tetsuo Okamoto (natação), representado por sua sobrinha Cristina Eizo, foram reverenciados no palco e participaram de uma cerimônia especial antes da festa começar.
Janeth Arcain foi ovacionada quando subiu ao palco para receber o Troféu Adhemar Ferreira da Silva. A ex-atleta prata em Atlanta 1996 e bronze em Sydney 2000 com a seleção feminina de basquete foi agraciada com a láurea destinada a personalidades do esporte que representem os valores que marcaram a vida e a carreira do saltador, como ética, espírito coletivo, eficiência técnica e física, respeito ao próximo e companheirismo.
“Fiquei muito emocionada quando o Presidente Paulo Wanderley me ligou. Receber o Troféu Adhemar Ferreira da Silva é também um momento de representatividade. Foram 21 anos dedicados à seleção brasileira, abri mão de muita coisa e isso vai muito de encontro com os valores que Adhemar tinha, como dedicação, excelência, ética. Muitos desses valores me foram passados pela minha mãe Rita e eu tento passar para as crianças que frequentam a minha instituição”, declarou Janeth.
A disputa pelo troféu Atleta da Torcida foi acirrada e contou com mais de 395 mil votos no site do PBO, a maior votação de todas as edições. Pela primeira vez o COB selecionou 20 atletas que brilharam neste ano olímpico e se destacaram em suas redes sociais. E com 42,51% dos votos o público escolheu Fernanda Garay (vôlei), dona de duas medalhas olímpicas, ouro em Londres 2012 e prata em Tóquio, para levar o prêmio deste ano.
“Foram quase 400 mil votos? Nossa! Nessa noite, além de representar o meu esporte, eu fui eleita pelo voto popular como Atleta da Torcida. Meus adversários eram atletas muito feras. Muito obrigada a todos que votaram em mim. Encerro meu ano esportivo com a prata em Tóquio 2020 e com esse Troféu. Isso só demonstra que eu tracei o caminho de forma correta e com dedicação ”, disse a craque da seleção brasileira.

 

Por: Redação
Compartilhar

Além disso, verifique

“Gosto de vitória”: Auxiliar de Tite comemora resultado de jogo do Flamengo contra o Athletico

Flamengo conseguiu um empate heroico nos minutos finais do jogo COLUNA DO FLA/Por: RODRIGO LIMA …